História

Nossa História

Em 1997, sete crianças dos arredores do CEAGESP – Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo, na Zona Oeste de São Paulo, a convite da artista plástica Elisa Bracher, começaram a frequentar o seu ateliê para aulas de marcenaria.

Ainda não havia um projeto, apenas o desejo de estreitar o convívio entre pessoas de culturas diferentes e repartir espaço e máquinas destinados à criação artística. A única regra para frequentar era ter vontade de estar ali.

Assim nascia a “Marcê”, como é conhecida até hoje por muitas crianças do Acaia e suas famílias.

Além da oficina de marcenaria, outras atividades surgiram, sempre construídas em sintonia com a observação das crianças, seus desejos e necessidades: culinária para fazer o lanche do final do dia, costura para fantasias, arte para colorir objetos de madeira.

Logo, com mais de cem crianças participando, ganhou corpo um projeto e o espaço precisou ser adaptado e educadores chamados para responder à crescente demanda. Foi assim que a “Marcê” passou a denominar-se Ateliê Acaia, sendo criado, em 2001, o Instituto Acaia, para dar suporte às suas ações.

Hoje o Ateliê Acaia recebe crianças e adolescentes de 6 a 18 anos, muitos deles moradores das favelas da Linha (ou Votoran) e do Nove (ou Japiaçu), e do conjunto habitacional Cingapura Madeirite, que participam de diversas oficinas: linguagem oral e escrita, artes, música, letramento digital, marcenaria, biblioteca, vídeo, oficina do sentimento, capoeira, dança, costura e bordado, culinária, xilogravura e tipografia. O período noturno foi aberto aos familiares, para oficinas de marcenaria e bordado. Muitos vêm acompanhados de crianças pequenas que, assim, começam a participar de atividades.

Atualmente o trabalho é realizado na sede e também nos barracos-escola nas favelas do Nove e da Linha, na lavanderia comunitária e em ações externas de urbanização e jurídicas. Nos barracos-escola são oferecidas atividades lúdicas e de artes para crianças, marcenaria e oficinas de costura e bordado para adultos.

Com a ampliação das atividades, o Ateliê passou a ser dividido em eixos de funcionamento. Com uma sempre numerosa lista de espera, a única regra continua sendo a vontade de estar no Ateliê.


Equipe

Direção:
Elisa Bracher
Ana Cristina Cintra Camargo
Olga Maria Aralhe

Assistente de Direção:
Patrícia Yanaguisawa

Coordenação de áreas:
Sandra Alves Silva
Enio Alex Assunção
Fabrício de Jesus Barrio Lopez
Lucas Simões Borelli
Maria Esther Pacheco Soub
Silvia Maria Bracco
Verônica Sáenz Davalos