Contexto

Contexto Geográfico

O Pantanal é uma das maiores planícies inundáveis da Terra, sendo considerado Patrimônio Natural pelo Artigo 225 da Constituição Brasileira (1988) e Reserva da Biosfera pela UNESCO (2000). Planície sedimentar, com inundações periódicas, localiza-se no centro da América do Sul, com cerca de 147 km2, integrando a Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai, que ocupa aproximadamente 500 mil km2 e é compartilhado pelo Brasil, Bolívia e Paraguai.

O relevo pantaneiro possui uma característica muito particular: a baixa variação na declividade do terreno. Assim, as cheias anuais ocorrem pelo extravasamento das margens dos leitos dos rios, que inundam os campos e secam quando os rios voltam ao volume normal. Em média, o tempo de trânsito das águas é de 5 a 6 meses, desde o Norte até o Sul.

Devido à sua localização, a vegetação pantaneira é um mosaico de diferentes ecossistemas, influenciada por elementos de quatro províncias fitogeográficas da América do Sul: Amazônica, Cerrado, Chaquenha e Atlântica. Com base em aspectos florísticos, pedológicos e das inundações, o Pantanal pode ser dividido de oito a onze sub-regiões (veja o mapa). Na fauna do Pantanal são encontrados facilmente exemplares de animais ameaçados de extinção, como onça pintada, tamanduá-bandeira, cervo-do-pantanal, ariranha e a arara azul.

O Pantanal é considerado uma das vias mais importantes para as aves migratórias dos hemisférios Norte e Sul. Segundo dados da WWF World Wide Fund For Nature, o Pantanal possui 263 espécies de peixes, 122 espécies de mamíferos, 93 espécies de répteis, 1.132 espécies de borboletas e 656 espécies de aves.

No Pantanal sul-matogrossense os solos são de origem sedimentar, alternando áreas argilosas e arenosas de forma descontínua. Mas em 92,5% são solos hidromórficos (de área úmida), segundo Amaral Filho, Z.P. Solos do Pantanal Matogrossense (1986), o que acarreta limitações à lavoura, pois os solos são inférteis, como também periodicamente alagáveis.

A paisagem no Pantanal é composta por campos, salinas, cordilheiras, capões, corixos e vazantes. Por abrigar grande variedade de espécies vegetais, possui também ampla diversidade de animais. E tem como característica uma interdependência com o fluxo das águas, gerando rica biodiversidade.


Contexto Social

Fonte: FRANCO, Jose Luiz de Andrade; DRUMMOND, Jose Augusto; et al. Biodiversidade e ocupação humana no Pantanal mato-grossense-Conflitos e oportunidades.

Em resposta às carências da população ribeirinha do Pantanal, identificadas em extenso estudo socioambiental realizado em 2006/2007, o Acaia Pantanal implantou em 2008 atividades socioeducativas voltadas à população residente na região do Pantanal compreendida entre a Baia do Castelo e a Serra do Amolar.

Caracterizam o contexto local a ocupação da região com moradias isoladas e distantes entre si, a dificuldade de transporte dependente de embarcações individuais e cujo combustível representa elevado custo às famílias, e uma economia de subsistência baseada na pesca artesanal e na coleta de iscas para comercialização junto ao turismo de pesca.

Dificuldades observadas no estudo de cerca de 10 anos ainda persistem pois o difícil acesso à região, resultado da distância e do custo de transporte, implica no isolamento da população local e na indisponibilidade de infraestrutura básica como energia elétrica e serviços essenciais de saúde, educação e assistência social.

Fonte: FRANCO, Jose Luiz de Andrade; DRUMMOND, Jose Augusto; et al. Biodiversidade e ocupação humana no Pantanal mato-grossense-Conflitos e oportunidades.

Entretanto importantes mudanças também foram observadas neste período alterando a forma com que esta população se conecta e responde ao mundo à sua volta: acesso à telefonia móvel, incipiente mudança de perfil do turismo predatório de pesca para o turismo ecológico, nascimento de iniciativas de geração de renda não predatórias, e uma parcela de jovens ribeirinhos dando continuidade aos estudos e em vias de concluir o ensino médio.

O Acaia Pantanal mantem-se presente no dia a dia da população ribeirinha, atuando junto às famílias e atores locais conjugando educação e proteção social como meios de assegurar o desenvolvimento integral dos moradores da beira do rio e contribuir para o desenvolvimento socioambiental da região.